Voltar ao blogue

Mapa do Empreendedorismo

10/19/2022 Equipo South Summit
PARTILHAR:

O empresário individual "empresário a solo" irrompe no ecossistema espanhol

  • A figura do empresário individual vem dos EUA e no ecossistema espanhol já está presente em 6% das empresas em fase de arranque.
  • O empresário em série é comum, tendo 62% dos empresários encontrado mais do que um projecto, 2% mais do que em 2021, o que revela como o ecossistema é uma fonte de talento em si mesmo.
  • O empresário espanhol estereotipado tem uma vida estável e é geralmente um homem (80%), 33 anos de idade, com uma alta qualificação.
  • A incorporação de uma mulher no ecossistema continua a ser um assunto não resolvido a nível global, sendo uma percentagem de cerca de 20% deles empresários. Uma estatística que praticamente não mudou nos últimos 8 anos.
  • Os startups espanhóis atingem uma vida média de três anos, com uma melhoria positiva em relação aos anos anteriores (2,7 em 2021, 2,5 em 2020 e 2,2 em 2019), o que mostra a maturidade do ecossistema.

O fenómeno do "empresário individual" chegou ao ecossistema do empreendedorismo e da inovação em Espanha: O 'solo-empreendedor' representa 6% das empresas em Espanha, pelo que o mais comum é ainda criar uma empresa em fase de arranque numa equipa que é normalmente pequena e masculina. 60% das start-ups têm entre 2 e 3 fundadores, enquanto 35% funcionam com mais de 4. Ao mesmo tempo, 6 em cada 10 foram fundadas exclusivamente por homens e apenas 6% por mulheres. Os startups com uma equipa de fundadores mistos representam 35%.

Estes são alguns dos principais resultados do "Mapa do Empreendedorismo 2022", realizado pela South Summitem colaboração com a Universidade IE. Este relatório analisa a situação do ecossistema empreendedor espanhol em relação a outras regiões e permite ver o seu comportamento nos últimos anos, a partir de mais de 3.600 projectos inscritos no Concurso de Startups South Summit Madrid 2022, dos quais 75% são internacionais.

María Benjumea, fundadora e presidente da South Summit e Salvador Aragón, Director Geral de Inovação e professor na Universidade IE apresentou os resultados deste relatório na Torre IE, a nova sede da Universidade IE I Madrid. Participou também neste evento com Javier Fernández-Lasquetty, Ministro Regional da Economia, Finanças e Emprego e Begoña Villacís, Vice-presidente da Câmara Municipal de Madrid. Durante esta conferência, aprendeu-se o lema de South Summit Madrid 2023: Hoje 2030, que contará com o apoio institucional da Secretaria de Estado para a Digitalização e Inteligência Artificial, da Comunidade de Madrid e da Câmara Municipal de Madrid.

Em avaliação, María Benjumea, fundadora e presidente de South Summit, assegurou que os dados do Mapa do Empreendedorismo são a verificação da profissionalização e do crescimento do ecossistema de Inovação no nosso país. "A maturidade do Ecossistema é prova de um fenómeno imparável e muito boas notícias, porque é evidente que há crescimento na nossa economia".

Num estudo deste ano, a figura do "solo-empresário" irrompe em cena. Trata-se de um empresário que cria, lidera e desenvolve o seu arranque por conta própria, sem uma equipa fundadora e é um "autónomo 3.0". Esta tendência, que tem origem nos EUA, provém principalmente de empresas com ambição digital.

Segundo Salvador Aragón, Director Geral de Inovação e professor da Universidade IE, "Embora uma equipa ainda seja comum no ecossistema, nos últimos anos podemos ver como a figura do 'empresário individual' tem crescido. O que nos mostra a grande capacidade de democratização do ecossistema, que apresenta um aumento da diversidade de profissionais".

Com edições anteriores em linha, o empresário em série é também comum no ecossistema, com 62% das start-ups a fundar mais do que um projecto, 2% mais do que em 2021, o que revela como o ecossistema é uma fonte de talento em si mesmo.

Em maior medida do que os empresários novatos, os principais motivos para aqueles empresários em série que querem fazer um start-up são porque sempre tiveram uma ideia clara de serem empresários e detectaram uma lacuna no mercado.

A probabilidade de sucesso com um arranque também aumenta quando a experiência dos seus fundadores é maior. Enquanto a percentagem de venda de um projecto criado por empresários novatos é inferior a 20%, este índice excede 70% entre aqueles que criaram mais de quatro startups.

Em relação ao empresário espanhol estereotipado que mantém uma vida estável durante os últimos anos . Trata-se de um homem (80%), com 33 anos de idade, com uma qualificação elevada (a maioria tem um diploma universitário, 70% tem um mestrado e 16% inicia uma actividade com um PHD). Além disso, como têm perfis com experiência profissional anterior: mais de metade trabalhava numa empresa antes da sua entrada em funcionamento, 24% já tinham um projecto empresarial e 7% estavam empregados numa empresa em início de actividade, enquanto menos de 1% estavam desempregados.

A incorporação de uma mulher no ecossistema continua a ser um assunto não resolvido a nível global. Em Espanha, a mulher empreendedora representa 20% dos empresários, ligeiramente acima de toda a Europa (17%) e abaixo da América do Norte (21%) ou América Latina (24%).

Ecossistema maduro e diversificado

Os dados do 'Mapa do Empreendedorismo 2022' por South Summit confirmam a maturidade do ecossistema empresarial de Espanha. As start-ups espanholas atingem uma média de 3 anos de vida, com uma evolução positiva em relação aos anos anteriores (2,7 anos em média de vida em 2021, 2,5 em 2020 e 2,2 em 2019). Esta é uma média ligeiramente abaixo da média dos startups da América do Norte (3,04 anos de vida), Europa (3,19), e América Latina (4,47). Além disso, 7 em cada 10 startups (70%) em Espanha já lançaram o seu produto e este está a gerar tracção, quase 10% mais do que no ano passado.

Os principais campos de formação para empresários são a Engenharia e as Ciências Sociais. O ecossistema espanhol é cada vez mais intensivo em conhecimento e cada vez mais diversificado, não só em tecnologias, mas também em sectores. Fintech, Educação e Saúde representam as 3 principais indústrias, seguidas por: Desenvolvimento de software, comércio electrónico, impacto social, aggrotech, dados e análises. O top 10 é completado por duas novas áreas: Serviços de produtividade e meios de comunicação social.

De acordo com um relatório de South Summit existe um grande potencial de crescimento na área da Inteligência Artificial. Os projectos de IA representam 16,8% em Espanha, cerca de 18,8% na América Latina e 22,4% na Europa.

A maturidade do ecossistema também se mede pela capacidade de gerar oportunidades de trabalho. 69% dos projectos espanhóis têm entre 2 e 10 empregados, enquanto 26% (9% mais do que no ano passado) afirmam ter entre 10 e 50 profissionais na sua equipa. As expectativas de contratar para 2023 são positivas num ambiente económico preparado para a inflação.

Em termos de rendimento, 6 em cada 10 startups em Espanha já as estão a gerar, 11% mais do que em 2021. 11% das start-ups excedem 500.000 euros por ano e 18% têm EBITDA positivo, o que é seis pontos mais do que em 2021 e 5% mais do que no resto da Europa. Além disso, 32% das start-ups esperam alcançar um EBITDA positivo dentro de um ano.

Esta edição do 'Mapa do Empreendedorismo' salienta que tem havido uma mudança significativa de tendência nas fontes de financiamento. Estamos a caminhar para um modelo cada vez mais profissional e equilibrado, com fundos privados a passar de 11% em 2018 para 32% em 2022, enquanto os fundos próprios caíram de 60% para 46% no mesmo período.

As start-ups em Espanha não só procuram mais financiamento (19%), ganham maior visibilidade (19%) ou alcançam acordos estratégicos (18%), como também exigem em todas as regiões melhorias na tributação para a criação e atracção de investidores, bem como maior flexibilidade na contratação.